AS CORDILHEIRAS

É a área mais característica de Nova Castela. Porém, ao contrário da costa, é composta por áreas bem distintas, tanto para quem caminha da costa rumo à selva, como para quem a percorre no sentido norte-sul. Abrange uma área entre mil e quase sete mil metros de altitude. Entre as diferentes regiões, quatro são mais características: a vertente da costa ou serra, de declive acentuado, com corredeiras e perigosas gargantas; as punas, altiplanos acima dos três mil metros; as grandes montanhas, cobertas de gelo e neve, praticamente inabitada; e a vertente da selva ou selva alta, com rios caudalosos, vegetação abundante e clima mais quente, também pouco habitada.

Serra

Os vales recebem os ventos do oceano e ganham um clima temperado. Na parte mais baixa, entre os mil e dois mil metros, o clima ainda é árido e, ao contrário da costa, com pouca umidade, mas com forte nebulosidade no verão. O contraste entre o dia e a noite, o sol e a sombra, é bastante forte. A temperatura média no verão é de 6°C a 32°C, no inverno é de 2°C a 28°C. Entre os 2 mil e 3.500 metros, as temperaturas diurnas são sempre superiores a 20°C e as noturnas sempre inferiores a 10°C. O ar é seco, com menos oxigênio, onde começam os problemas do homem com a altitude. Os vales se opõem aos altos picos, com desníveis de 500 a mil metros.

Punas

Se encontram entre os 3 mil e 5 mil metros. As punas são áreas quase planas, de ondulações suaves e de extensão variável, com muitos lagos de águas frias e cristalinas, e onde os rios correm tranqüilos. As punas são cobertas de gramíneas, onde se destaca o ichu. A temperatura máxima está sempre entre 20° e 25°C, e a mínima é sempre inferior a 0°, chegando a -17°C. Acima dos 4 mil metros, o frio é rigoroso, chegando a -24°C durante a noite. Há violentas tempestades elétricas e ventos freqüentes, que provocam um ruído peculiar nas folhas de ichu. A transparência do ar é tanta que altera a percepção de distância, fazendo as coisas parecerem estar mais próximas. À noite, os charcos são congelados, e descongelam durante o dia. Ao passar uma sombra por mais de cinco minutos, a temperatura chega a cair 6°C. Acima dos 4.500m, as cordilheiras são habitadas apenas por pastores de lhamas e alpacas e por mineradores.

Grandes Montanhas

Emergindo das punas estão as grandes montanhas das cordilheiras, com picos que ultrapassam os 5 e 6 mil metros. Apresentam-se como picos isolados ou integrando cadeias de montanhas, geralmente coberto por gelo e neve perpétua. Predominam os grandes vales glaciais, marcados por vertentes abruptas e rochosas, onde a neve não tem como se fixar. Pendentes de gelo provocam desmoronamento e destruição de vilas. As avalanches de neve são bastante comuns. Outro fenômeno comum são os lagos formados por represas naturais. Às vezes a represa se rompe e a água desce montanha abaixo, provocando enchentes. As maiores geleiras alcançam de 12 a 16 km². São pouco espessas, com no máximo 50m de profundidade e várias fendas. A neve cai freqüentemente acima dos 4.200m. Abaixo disso, é transitória, derretendo pouco depois que cai. Ao sul, a maioria dos picos é de origem vulcânica, conhecidos como o Círculo de Fogo. Em Nova Castela há cerca de 500 vulcões, a grande maioria inativa. Alguns ainda lançam cinzas, mas são muito poucos os totalmente ativos. É a região com maior atividade de terremotos, que se fazem sentir por centenas de quilômetros.

Selva Alta

Além de receber influência do clima da selva, mais úmido e quente, é caracterizada pelos pongos, estreitamento do rio que atinge maior profundidade e segue com grande velocidade. Em maiores altitudes, como no Vale Sagrado, as vertentes são abruptas e de grande altura, delimitando os vales, que mais se assemelham com grandes fendas no relevo. Nestes vales é comum o represamento dos rios através de deslizamentos de terra. Com isso, são formados lagos temporários. Quando a represa se rompe, as águas descem com extrema violência arrastando tudo que há pela frente. Os pongos possuem entre 2 e 12 km de extensão, chegando a 60 m de profundidade. Há também várias corredeiras. Das margens sobressaem pontas rochosas que originam redemoinhos, dificultando a navegação e se tornando um perigoso obstáculo. Os rios são menos inclinados que os da costa, mas só se tornam seguramente navegáveis abaixo dos mil metros. Na estação das chuvas, ainda nas cordilheiras, chegam a ficar intransponíveis. Os rios são largos e fundos, variando entre 100 e 300 metros de largura. Quando chegam nos limites da selva, chegam a atingir mais de 1 km. Abaixo dos mil metros já se estende a selva, com relevos de altas colinas, que vão diminuindo à medida que se penetra mais e mais em seus mistérios. Região mais chuvosa de Nova Castela.

Published in: on 12 de março de 2010 at 1:25  Comments (2)  

The URI to TrackBack this entry is: https://cheibub.wordpress.com/2010/03/12/as-cordilheiras/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. […] 11.1 – AS CORDILHEIRAS […]

  2. […] AS CORDILHEIRAS […]


Deixe uma resposta para Guia para ler O Império do Sol | Terra de Santa Cruz Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: