Vilas do Interior

Vila de Sant’Ana de Mogimirim

O povoado surgiu como rancho de repouso para os bandeirantes em suas viagens, chegando a vila em 1611. Uma boa estrada foi aberta entre a vila e Piratininga, sendo razoavelmente seguro o percurso.

Vila de Santana do Parnaíba

A neta de um grande cacique Tupiniquim, e filha de João Ramalho, fundou uma fazendo às margens do rio Anhembi, em um trecho com muitas ilhas fluviais. Seu filho dá início ao povoado que se transforma em vila em 1625. O lugar serve como ponto de partida para várias bandeiras rumo oeste. Em suas terras cresce o povoado de Açariguama ao redor da igreja da Nossa Senhora da Penha, feita em taipa de pilão.

Vila Nossa Senhora da Candelária do Ytu Guaçu

Em 1610, os bandeirantes construíram no local uma capela devotada a Nossa Senhora da Candelária, em torno do qual um povoado se formou. O local servia de abrigo e repouso para as bandeiras que desciam o rio Anhembi desde Piratininga até se chegar ao rio Paraná. Elevado a vila em 1657, não passa de 100 casas. Com a chegada de escravos negros, em 1692 foi erguido o Convento de São Francisco.

Vila de Nossa Senhora do Desterro de Jundiaí

O povoado ao norte de Piratininga, às margens do rio Jundiaí, teve início em 1615, transformado em vila em 1655. Assim como outros centros, a vila tem importância estratégica como ponto de parada das bandeiras que seguiam para o interior rumo norte. Outros povoados surgem a partir de Jundiaí: Nazaré, às margens do rio Atibainha, e Tybhaia, na zona montanhosa a leste. O ouro encontrado na região, no início do século, era de aluvião e logo se esgotou. Ambos os povoados são, atualmente, paradas obrigatórias no caminho para as minas.

ALDEAMENTOS DO PLANALTO

Inicialmente, foram estabelecidas doze missões no planalto piratiningano, em aldeias pré-existentes, mas uma epidemia de varíola fez com que restassem poucas das aldeias originais.

Oeste de Piratininga

A Aldeia de Pinheiros, inicialmente administrada pelos Jesuítas e recentemente entregue aos Beneditinos, no início do século foi importante abrigo para sobreviventes das aldeias próximas atingidas por epidemias. Fundada em 1560, a uma légua e meia ao sul da igreja matriz de Piratininga, localizada junto a um estreitamento do rio Piiêrê, o Caminho de Pinheiros é o melhor acesso às terras a sudoeste de Piratininga.

A Aldeia de Carapicuíba é uma aldeia jesuíta fundada em 1580, numa posição tão privilegiada quanto Piratininga, próximo à bacia do Paranaíba e do Caminho de São Tomé. Erguida em uma região de difícil acesso, conseguiu sobreviver aos ataques dos bandeirantes. Liderados pelo padre Belchior de Pontes, responsável pela revitalização dos aldeamentos jesuítas após o retorno da Companhia de Jesus ao planalto, os nativos buscaram abrigo na vizinha Aldeia de Itapycyrycaá. O espaço entre a fachada da capela e a cruz do terreiro é sagrado, não permitindo que demônio algum se faça presente.

A Aldeia de Mboy foi erguida pelos Jesuítas em 1554 no mesmo lugar de uma antiga taba tupiniquim. Por um tempo, as terras pertenceram ao bandeirante Fernão Dias, mas foi doada novamente à Companhia de Jesus.

A Aldeia Marueri era uma das principais aldeias da região, erguida junto ao rio Tietê, em um trecho de declive e corrente fortes. Porém, sendo caminho dos bandeirantes que descem para o rio Paranaíba, sofria muito com os ataques destes. Em 1640, o aldeamento foi pivô da expulsão dos Jesuítas da região. Nos dez anos em que ficaram afastados, o aldeamento foi se degradando, mas os Jesuítas conseguiram reerguê-lo após seu retorno.

Leste de Piratininga

A Aldeia São Miguel fica às margens do rio Tietê, pouco mais de três léguas a nordeste da igreja matriz de Piratininga. Fundada em 1560, sua capela foi erguida apenas em 1622, num terreno mais elevado, cerca de 15 metros acima e a 500 metros da margem regular do rio, ostentando um largo alpendre frontal. Seu porto é um movimentado entreposto para viajantes. Os nativos se tornaram fervorosos devotos de seu padroeiro, que exultaram com os relatos de como o santo triunfou sobre o Diabo, considerando-o um guia poderoso para o seu povo. Com o surto de varíola, a aldeia recebeu muitos nativos sobreviventes, particularmente da vizinha Taquaquecetuba. Esta voltou à ativa após a doação das terras à Companhia de Jesus, formando um arraial ao redor da capela de Nossa Senhora D’Ajuda.

A Aldeia de Nossa Senhora da Conceição é um aldeamento originalmente criado para proteger Piratininga da confederação liderada pelos Tupinambás em 1560, assim como São Miguel.  Ambas foram fundadas pelo Padre Anchieta.

Published in: on 11 de janeiro de 2019 at 1:25  Deixe um comentário