WICHÍS

Também de origem patagônica, os Wichís são a tribo dominante de uma etnia que inclui ainda os Chorotes, Nivaklés e Mataguayos, que ocupam o centro e o oeste do Chaco. Empurrados pelos Guaranis ao norte e pelos Guaicurus ao sul, vão se concentrando cada vez mais no Chaco Central.

São caçadores e coletores, adquirindo alguns poucos hábitos da cultura andina, como o uso de mantas de lã. Diferentemente dos Guaicurus, não se adaptaram aos cavalos e foram considerados pacíficos pelos colonizadores, inclinados ao comércio e à agricultura. Contudo, em meados do século XVII, decidem atacar Esteco e Santiago del Estero devido à pressão territorial provocada pelos Guaicurus.

As aldeias wichís são formadas a partir da família monogâmica, exceto a do cacique. Cada núcleo é organizado por um chefe ancião e um conselho de homens. As famílias se agrupam em bandos de caça sob a autoridade de um cacique. Com a chegada dos Castelhanos, adotam o sedentarismo, com assentamentos às margens dos rios.

Magia e Religião

Jayawu é o xamã da tribo.

Nilatáj é o ser supremo.

Ajatáj é uma deidade criada por Nilatáj, a quem se opõem. Ajatáj reina no mundo subterrâneo, cujos domínios se estendem ao mundo aquático, e é o senhor das enfermidades. Apesar de seu antagonismo, tem papel importante na iniciação dos xamãs.

Ajat são os espíritos malignos do inframundo. Respondem a Ajatáj, que os criou para que lhe servissem.

Unnatlelé é senhor da terra e dos montes, responsável pelo chamado e iniciação dos xamãs.

PERSONAGENS WICHÍS

Os personagens sem magia seguem o padrão dos personagens indígenas.

Jayawu

Os xamãs dos Wichís. Os Jayawu, uma vez que os Wichís descendem dos Patagões, têm uma forte ligação com os espíritos e podem, assim, conjurar os espíritos locais para pedir favores ou conselhos. Entretanto, não podem usar seu poder mágico através deles.

Para a iniciação à magia, é conjurado Unnatlelé. Entretanto, os poderes relacionados à água deverão ser aprendidos com Ajatáj, o que deixará o jayawu mais suscetível a sua influência. Caso o jayawu se deixe seduzir pelas promessas de Ajatáj, ele terá acesso a outros feitiços. Caso isso ocorra, ele deixará de ser um jayawu, para se tornar um feiticeiro, um inimigo de sua tribo.

Se, por um lado, o feiticeiro terá mais poderes que um xamã wichí, por outro lado, não terá mais a ajuda dos espíritos dos bosques, dos animais, das colinas etc. Dependendo de sua conduta, será até mesmo hostilizado por eles, até chegar ao ponto de só conseguir refúgio nas águas dos rios e lagos, cujo mundo é dominado por Ajatáj, o único a quem poderá recorrer. Há quem diga que um Ajat é o espírito de um feiticeiro que perdeu a vida a serviço de Ajatáj. Além disso, poderá ter Ka’o’o em seu encalço (ver Mitos e Lendas).

Não há a impossibilidade de um jayawu ou um feiticeiro ensinar magia a outro índio, apenas não é esta a prática. Porém, um jayawu, ao quebrar a tradição, seria visto pelos demais como um feiticeiro. Além disso, ao fazê-lo, o feiticeiro poderá atrair a ira tanto de Unnatlelé quanto de Ajatáj.

Lista de Habilidade: Conhecimento da mata; Cultura indígena; Ervas e plantas; Mitos e lendas; Ocultismo (atributo relacionado: Inteligência). Habilidades obrigatórias: Todas.

Lista de Feitiços ensinados por Unnatlelé: Adivinhação; Barreira astral; Camuflagem; Chamado; Comunhão com a floresta; Comunicar-se com animais; Conjurar animais; Controlar animais; Controlar plantas; Criar ilusão; Criar nevoeiro; Cura; Dardos de pedra; Desviar ataques; Detectar magia; Elo mental com animais; Exorcismo; Invocar Espíritos; Levitar; Metamorfose; Relâmpago; Remover magia; Viagem astral; Visão astral.

Lista de Feitiços ensinados por Ajatáj: Andar sobre as águas; Controlar água; Olhos D’Água; Respirar sob as águas.

Lista adicional do feiticeiro wichí: Amaldiçoar; Criar doença; Criar dor intensa; Trevas; Visão noturna.

Published in: on 20 de setembro de 2016 at 18:49  Deixe um comentário